15 de Outubro de 2020, 12:47
  -  Corrupção - Brasília
Nota de R$200 estreia na corrupção brasileira em cueca de senador

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado nesta quarta-feira (14) com dinheiro escondido na cueca, é vice-líder do governo no Senado.

 

 

Ele também emprega em seu gabinete Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio, primo dos três filhos mais velhos do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio (Republicanos-RJ), o deputado federal Eduardo (PSL-SP) e o vereador do Rio Carlos (Republicanos-RJ).

 

 


A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira (14) a operação Desvid-19, para investigar desvios na aplicação de recursos que deveriam ser destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus envolvendo parlamentares.

 

 

Os agentes que cumpriam mandado de busca e apreensão contra o senador, em sua residência em Roraima, encontraram notas de dinheiro que totalizaram cerca de R$ 30 mil escondidas no corpo do parlamentar. Parte das notas estaria dentro do seu ânus e entre suas nádegas.

 

 

A PF registrou em fotos e vídeos o momento desta apreensão. Também foram encontrados mais R$ 10 mil em espécie mo imóvel.

 

 

A informação sobre a apreensão foi antecipada pela revista “Crusoé” e confirmada pelo EXTRA.

 

 

A operação foi deflagrada com autorização do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso para investigar desvios milionários em recursos que deveriam ser empregados no combate à pandemia destinados por meio de emendas parlamentares à Secretaria de Saúde de Roraima.

 

 

O senador é membro da Comissão Mista do Congresso Nacional que acompanha a execução de recursos relacionados ao enfrentamento do novo coronavírus. Procurada, a assessoria de Chico Rodrigues confirmou que houve buscas na casa dele, mas afirmou desconhecer a apreensão de dinheiro.

 

 

Em 4 de outubro de 2017, o deputado Eduardo Bolsonaro chamou José Guimarães (PT-CE) de “deputado do cuecão”, em referência ao episódio no qual um assessor do parlamentar foi flagrado com dinheiro na cueca, em 2005.

 

 

No ano passado, ele voltou a chamar Guimarães de “deputado do cuecão” ao reclamar da resistência da oposição para votar a reforma da previdência.

 

 

 

Em março de 2016, Jair Bolsonaro, que na época era deputado federal, fez um discurso contra o PT na Câmara e também citou o episódio.

 

 

“Quero dizer ao líder do PT, que há pouco passou por esta tribuna, que presidencialismo de coalizão não é vale-tudo, não. Não é jogar ministério para cima e enfiar dinheiro na cueca de assessor parlamentar, não”.

FONTE JORNAL Extra

Imagens

BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO