18 de Fevereiro de 2021, 21:38
  -  Pandemia - Ceres
Moradora de Ceres que foi diagnosticada com nova variante do coronavírus acreditou que estivesse com crise alérgica

Uma moradora de Ceres, que contraiu uma nova variante do coronavírus, conta que os primeiros sintomas foram semelhantes a uma crise alérgica. A professora Daniara Raiane Silva já havia sido diagnosticada com Covid-19 em julho do ano passado e teve novos sintomas três meses depois, em outubro.

 

 

 

 

“Quando eu comecei com os sintomas, veio primeiro uma sensação alérgica. Quando [é alérgico] tomo antialérgico e funciona, mas com a Covid não funciona, então eu tomei e falei: ‘Estou com Covid novamente’. Como eu já tinha sentido a falta de ar, a dor nas costas, aí liguei e solicitei o exame de reinfecção”, conta.

 

 

 

O resultado, no entanto, só foi confirmado no início deste mês. “Somente agora saiu o sequenciamento do novo vírus mostrando que é uma cepa diferente, que é a P2”, diz a professora.

 

 

 

Essa variante, segundo o secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino veio de Manaus.

 

 

 

 

Até quarta-feira (17), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) já havia identificado três variantes do coronavírus em Goiás. O grande potencial de transmissão dessas mutações preocupa o governo.

 

 

 

 

"Essas três novas cepas da segunda onda têm demonstrado maior transmissibilidade e já estão em transmissão comunitária", explica Alexandrino.

 

 

 

A última variante identificada é a P1 e veio de Manaus. O resultado do exame com a confirmação saiu na segunda-feira (15).

 

 

 

 Cuidados

 De acordo com o virologista Fernando Spilki, devido ao potencial mais transmissível das novas cepas, os cuidados precisam ser intensificados.

 

 

 

 

“É um momento de elevado alerta, de grande cautela. Que as pessoas comecem efetivamente a tomar cuidados que, infelizmente, não vêm sendo tomados”, afirma.

 

 

 

 

 

Segundo o especialista, os cuidados valem para todas as pessoas, inclusive quem já foi diagnosticado com a Covid-19, pois tratam-se de novas variantes do coronavírus.

 

 

 

“Fica o alerta para as pessoas que já tiveram a infecção. A partir de agora, com essas variantes, precisam se cuidar o máximo possível”, pontua.

 

*Com informações G1-GO

 

BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO