16 de Fevereiro de 2021, 11:20
  -  Crime - Itaguaru
Crime: Dono de um supermercado, o segurança e o sogro são presos em Itaguaru suspeitos de matar vendedor de frutas

 A Polícia Civil prendeu, na última sexta-feira (12) o dono de um supermercado, o segurança do local e o sogro do empresário suspeitos de assassinar o vendedor de frutas Elton Geraldo da Silva, de 56 anos. Ele foi morto a tiros, no último dia 24 de janeiro, na porta de casa por um motociclista em Itaguaru. A reportagem é do site Mais Goiás.

 

 

 

 

Segundo o delegado Kleber Toledo, responsável pelo caso, a suspeita é de que o crime ocorreu como forma de vingança. Elton teria assediado a esposa do empresário em 2012, na época em que ela tinha 15 anos e estava solteira. Ela diz que o vendedor de frutas mandava-lhe mensagens e dizia que ela era o sonho da vida dele, que ela era muito bonita e que desejava que ela fosse a mãe das filhas dele.

 

 

 

 

 

Na época, a família da garota fez um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por perturbação da tranquilidade. Elton assumiu que mandava as mensagens; entretanto, disse que não tinha a intenção de assediar a jovem – hoje com 26 anos.

 

 

 

 

 

Vítima

 

 

 

 

 

 

Os suspeitos de matar o vendedor no dia 24 de janeiro deste ano negaram a autoria do crime. Porém, continuam presos. Além dos referidos suspeitos, a polícia investiga se a arma usada no crime era de um vereador. Ele foi ouvido e liberado no mesmo dia.

 

 

 

 

 

“O segurança, suposto autor dos disparos, pediu para que o político guardasse a arma para ele. No dia do crime, ele foi até a casa do político, pediu uma blusa de frio e pediu a arma. Quando foi embora, ele disse que estaria indo matar um pedófilo”, informou Kleber ao site Mais Goiás.

 

 

 

 

 

 

Contra a garota que teria recebido as mensagens de Elton, também foi emitido um mandado de prisão, mas ela teve uma convulsão e foi hospitalizada. “Devido à medicação, fomos informados no hospital que, se ela recebesse alta prematuramente, poderia até mesmo sofrer uma parada cardíaca. Então, por precaução, preferimos não cumprir o mandado dela. Esse fato foi comunicado ao juiz do caso e pedimos a revogação da ordem de prisão. Porém, isso não impede que seja decretada a prisão novamente”.

Imagens

BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO