11 de Fevereiro de 2021, 21:00
  -  Atualização - Goiânia
Mulher que pulou do 1° andar de prédio para não ser estuprada tem alta, mas segue sem andar: ‘Quero justiça’

A cabeleireira Juliane Lacerda Lima, de 36 anos, que pulou do primeiro andar de um prédio para não ser estuprada por um ladrão, em Goiânia, recebeu alta na manhã desta quinta-feira (11). Ainda sem conseguir andar, ela diz que está confiante na recuperação dos movimentos abaixo da cintura e afirma querer a punição do criminoso.

 

 

 

 

“Agora o que eu quero é me recuperar e voltar a andar. Também quero justiça. Esse cara precisa ser preso. É uma pessoa que não pode ficar solta. O que ele fez comigo, ele pode fazer com outras mulheres. Quero que ele pague pelos crimes que ele cometeu comigo e com a minha amiga”, afirmou.

 

 

 

 

Um vídeo mostra quando Juliane se joga do 1º andar e cai na calçada, no último dia 29 de janeiro (veja acima). Juliane contou que está voltando a sentir alguns movimentos na perna direita, após ter relatado que não sentia mais as pernas depois da queda.

 

 

 

 

“Eu estou me recuperando bem (...). A equipe médica falou que foi um sucesso a minha cirurgia. Eu estou confiante que eu vou voltar a andar. Só de conseguir mexer a perna direita já é um grande avanço para mim”, contou.

 

 

 

O restante dos movimentos da cintura para baixo, no entanto, inclusive da perna esquerda, seguem paralisados, segundo Juliane. De acordo com a cabeleireira, os médicos disseram que, por enquanto, não podem afirmar se ela irá voltar a andar, pois depende, entre outros fatores, do período de fisioterapia e da recuperação que terá após a operação.

 

 

 

Também por causa da queda, a cabeleireira quebrou os dois calcanhares e precisou operar um deles na quarta-feira (10). Juliane esteve internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) por 14 dias. Três dias após dar entrada na unidade, a cabeleireira também passou por uma cirurgia na coluna.

 

 

 

 

Assalto

O salão fica em um prédio do Setor Parque Oeste Industrial. Juliane contou que o assaltante chegou ao local, pouco antes das 11h do dia 29 de janeiro, usando capuz, máscara e óculos.

 

 

 

 

De acordo com ela, o criminoso anunciou o assalto, pegou o dinheiro que estava no caixa e os celulares dela e de uma funcionária. Logo depois, segundo a cabeleireira, ele ordenou que elas tirassem a roupa.

 

 

 

 

“Foi a única alternativa que eu tinha. Ele já tinha tirado a roupa da minha funcionária e mandou a gente subir para o outro andar. Quando eu subi, já veio na minha cabeça que eu não poderia deixá-lo fazer mal a mim nem para ela. O que eu pensei foi em pular e pedir socorro. Para nos salvar, eu faria de novo”, afirmou Juliane.

 

 

 

 

 

A funcionária, que não quis ser identificada, contou que o criminoso tirou a roupa dela antes de a patroa pular. Segundo ela, ao perceber que Juliana tinha escapado, o homem se assustou, pegou os celulares e fugiu em uma bicicleta. Durante a fuga, ele deixou os celulares delas e o próprio telefone cair no chão.

 

 

 

 

 

Até a última atualização desta reportagem, o assaltante não havia sido detido. O G1 pediu informações com a Polícia Civil, na manhã desta quinta-feira, sobre o andamento da investigação, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO