27 de Julho de 2020, 14:08
  -  Crime - Piauí
Como funcionava o esquema que desviou R$ 50 mi da Educação no Piauí

Nesta manhã, a Polícia Federal deflagou a 3ª fase da Operação Topique, que investiga fraudes de mais de R$ 50 milhões em contratos de transporte escolar firmados entre a Secretaria de Educação do Piauí e um grupo de empresas.

 

 

Segundo a PF, as fraudes começavam pelo direcionamento de licitações entre 2015 e 2017. A pasta desqualificava as propostas mais baratas e favorecia as empresas do grupo criminoso, com valores superfaturados. No período do esquema, a pasta era comandada pela primeira-dama Rejane Dias, deputada federal do PT

 

 

 

 Com os contratos firmados, as empresas recebiam recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate).
 
 
 
 
A empresa vencedora da licitação contratava empresas terceirizadas para que, com menos dinheiro que o previsto na proposta aprovada, realizasse o transporte escolar e fizesse a locação de veículos em estado precário.
 
 
 

“A partir do contrato, as empresas faziam subcontratação parcial ou integral. Os serviços eram prestados por terceirizados em condições precárias e de total insegurança. Há notícias de ao menos dois acidentes graves, com vítima fatal, com crianças que usavam esse transporte público”, disse o delegado Albert Paulo de Moura.

De acordo com a delegada Milena Caland, responsável pelo inquérito, a operação de hoje mira os servidores e agentes públicos do setor financeiro da Secretaria de Educação.

A delegada não detalhou a função da primeira-dama no esquema, mas afirmou que Rejane Dias e familiares teriam recebido vantagem indevida.

“O envolvimento da esposa do governador, Rejane Dias, se justifica em razão do exercício do cargo entre 2015 e 2018. Os dois pregões que são objetos de análise são de 2015 e 2017, exatamente no período em que ela esteve à frente da Secretaria de Educação (…). Fora o cargo, ao longo da análise do material constatou-se que houve recebimento de vantagem indevida por ela e familiares.”

A Controladoria-Geral da União estima que 40% do valor total dos contratos foi desviado no esquema. Como as empresas investigadas ainda prestam serviços ao governo do Piauí e a prefeituras do estado, não é possível mensurar qual o prejuízo efetivo causado pelas fraudes.

Como funcionava o esquema que desviou R$ 50 mi da Educação no Piauí

 Fonte: Antagonista

BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO
BANNER PUBLICITÁRIO